sábado, 31 de outubro de 2009

Diário Informativo



MEU DIÁRIO



Dádiva Renata Nogueira Barbosa


Querido diário, depois de ter sido aprovado o projeto do meio ambiente, chegou o momento de colocá-lo em prática primeiro, foi preciso conversar com os moradores ribeirinhos sobre a importância do mesmo para a população. Após a conversa a maioria deles concordaram em fazer a cerca, exceto um morador por achar que a cerca ocuparia muito espaço do seu terreno. Embora todos tenham concordado sobre a relevância do projeto, pois o mesmo beneficia a todos.
No segundo momento, foi a hora de “arregaçar as mangas”, juntamente com todos os envolvidos, Professores, funcionários da escola, alguns alunos, dois funcionário cedidos pela empresa parceira no Projeto, e acima de tudo, muita força de vontade. Todos fomos para o lugar onde seria projeto, e acima de tudo, muita força de vontade. Todos fomos para o lugar onde seria plantado as mudas e construído a cerca para a proteção das mesmas. Foram necessárias duas metades de sábados para concluir o trabalho. Mas o trabalho não terminou por aí, pois ainda é preciso que os moradores auxiliem cuidando das arvorezinhas ate que elas atinjam um tamanho suficiente para não ser necessário mais de tanto cuidado.
Ah! Diário já estava esquecendo, hoje depois de quase um ano, voltamos ao local para verificarmos o que deu certo. Foi uma surpresa enorme, quando nos deparamos com aquelas mudinhas já tão crescidas e lindas. Apesar de percebermos também, que o morador responsável em fazer a parte pertencente ao seu terreno, ainda não fez nada. Só que o mais interessante é que o projeto deu certo, podendo ser constatado em registros feitos no retorno ao local e os resultados aparecerão daqui a alguns anos e trarão benefícios a todos, pois “ pensamos globalmente e agimos localmente”, contribuindo assim com uma pequena parte para o futuro do nosso Planeta.

Abordagem Metodológica em foco Materialismo Histórico



MATERIALISMO HISTÓRICO


O materialismo histórico é uma abordagem metodológica ao estudo da sociedade, da economia e da história que foi pela primeira vez elaborada por Karl Marx e Friedrich Engels(1818-1883), malgrado ele próprio nunca tenha empregado essa expressão. O materialismo histórico na qualidade de sistema explanatório foi expandido e refinada por milhares de estudos acadêmicos desde a morte de Marx.
De acordo com a tese do materialismo histórico defende-se que a evolução histórica, desde as sociedades mais remotas até à atual, se dá pelos confrontos entre diferentes classes sociais decorrentes da "exploração do homem pelo homem". A teoria serve também como forma essencial para explicar as relações entre sujeitos. Assim, como exemplos apontados por Marx, temos durante o feudalismo os servos que teriam sido oprimidos pelos senhores, enquanto que no capitalismo seria a classe operária pela burguesia.
Esta teoria de evolucionismo histórico fundamentava o pensamento Marxista que conduziu à implementação dos regimes comunistas pela "Revolução", ou seja, a rebelião das classes operárias contra os capitalistas.
O materialismo histórico como propulsor da evolução histórica foi posto em causa quer pelos pensadores liberais, que levaram ao desenvolvimento das Democracias do Norte da Europa, Reino Unido e América do Norte, quer pelos pensadores corporativistas que levaram ao desenvolvimento dos regimes autoritários de Itália, Portugal e Espanha.

Qual o seu fundamento?
"Não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência"
O materialismo histórico, pensamento desenvolvido pelo estudioso Karl Marx, fundamenta-se na observação da realidade a partir da análise das estruturas e superestruturas que circundam um determinado modo de produção. Nesse sentido, a história está ligada ao mundo dos homens enquanto produtores de suas condições concretas de vida e, portanto, tem sua base fincada nas raízes do mundo material, organizado por todos aqueles que compõem a sociedade. Os modos de produção são históricos e devem ser interpretados como uma maneira que os homens encontraram, em suas relações, para se desenvolver e dar continuidade à espécie.
O fato de Marx estar ligado a essa percepção material da vida e, por conseguinte, vinculado ao entendimento das relações humanas a partir dessa lógica da realidade que se faz presente no cotidiano das pessoas, nos dá a possibilidade de compreendermos que o pensamento marxista se estrutura, principalmente, por meio da inversão do pensamento Hegeliano. O propósito de uma história pautada no materialismo aparece como uma oposição ao idealismo. A realidade dos povos, segundo Marx, não pode ser explanada a partir de um parâmetro que entenda as idéias como um fator que figurem em primeiro plano, uma vez que estas somente encontram o seu valor enquanto fornecedoras dos alicerces que sustentam a imensa estrutura econômica, que nada mais é do que o próprio mundo material, o mundo real.
As idéias seriam, então, os reflexos da imagem construída pela classe social dominante. Isto é, o poder que ela exerce sobre as pessoas está diretamente relacionado com a edificação ideológica que esta “elite” constrói dentro das mentes de seus dominados, fornecendo sua visão de mundo. É dessa forma que a ideologia permeia a consciência de todos, transformando-os em objetos de uso e de exploração. Assim sendo, Marx acredita que a manutenção da estrutura econômica se dá mediante essa inversão da realidade, que se encontra no direito, na religião, e nas mais diversas formas de controle mental e social.
Segundo Marx, a sucessão de um modo de produção por outro ocorre devido a inadequação desse mesmo modo de produção e suas forças produtivas. Isto é, na idade feudal, com o desenvolvimento do comércio, as relações servis começaram a se mostrar como um entrave ao desenvolvimento das forças produtivas, provocando uma implosão dentro desse mesmo sistema e originando um outro novo: o capitalismo. Nesse sentido, o capitalismo nasceu a partir das contradições do sistema feudal, e que a burguesia (classe dirigente) ao criar a sua oposição, o operariado, engendrou também o seu futuro extermínio, cavando a sua própria cova.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Materialismo_hist%C3%B3rico

Filme "Ilha das Flores"



DOCUMENTÁRIO “ILHA DAS FLORES”


Um tomate é plantado, colhido, transportado e vendido num supermercado, mas apodrece e acaba no lixo. Acaba? Não. ILHA DAS FLORES segue-o até seu verdadeiro final, entre animais, lixo, mulheres e crianças. E então fica clara a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos.


Direção: Jorge Furtado
Produção Executiva: Monica Schmiedt, Giba Assis Brasil e Nora Goulart
Roteiro: Jorge Furtado
Direção de Fotografia: Roberto Henkin e Sérgio Amon
Direção de Arte: Fiapo Barth
Música: Geraldo Flach
Direção de Produção: Nora Goulart
Montagem: Giba Assis Brasil
Assistente de Direção: Ana Luiza Azevedo
Uma Produção da Casa de Cinema PoA
Elenco Principal:
Paulo José (Narração)
Ciça Reckziegel (Dona Anete)


Prêmios
17º Festival do Cinema Brasileiro, Gramado, 1989:
Melhor filme de curta metragem (júri oficial, júri popular e prêmio da crítica), Melhor roteiro, Melhor montagem e mais 4 prêmios regionais (Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Roteiro e Melhor Montagem).
40º International Filmfestival, Berlim, Alemanha, 1990:
Urso de Prata para curta metragem.
Prêmio Air France, Rio de Janeiro, 1990:
Melhor curta metragem brasileiro.
Prêmio Margarida de Prata (CNBB), Brasília, 1990:
Melhor curta-metragem.
3º Festival Internacional do Curta-metragem, Clermont-Ferrand, França, 1991:
Prêmio Especial do Júri, Melhor Filme (Júri Popular).
American Film and Video Festival, New York, 1991:
Blue Ribbon Award.
7º No-budget Kurzfilmfestival, Hamburgo, Alemanha, 1991:
Melhor Filme.
Festival International du Film de Region, Saint Paul, França, 1993:
Melhor Filme.
Exibido na mostra “Os 10 Melhores curtas brasileiros da década de 80″, no Cineclube Estação Botafogo, Rio de Janeiro, 1990.

Fabula "O pavão e o pato"



O pavão e o pato



O pato passeava pelo quintal quando viu um pavão se lamentando:

- Mas que adianta essas penas todas, essas cores maravilhosas, esse porte majestoso se esses pés feiosos, escamados,sem cores... Que horror!

- Mas que louvável, meu caro pavão! Autocrítica é um exercício louvável. Conhecer nossas próprias limitações!

O pavão cala-se e olha com os olhos esbugalhados o pato e responde:

- Mas que disparate é esse! Falo do faisão que passeia todo emplumado perto do poço d’água e não olha para os próprios pés, seu pato!


Fonte: Instituto Cultural Aletria

Prosa



DE VIVER


Demétrio Sena


Quem não sabe viver perdeu a vez
de ficar no aconchego do seu nada;
trouxe a tes como saco de seus nervos,
carne, ossada, conjunto visceral...
Veio vago, sem alma, sequer arma
pra lutar a favor ou contra o quê,
tem um carma que nunca entenderá,
pois não pode crescer internamente...
Ninguém sabe quem é, se jamais foi,
vai usando migalhas de vivências
que parecem gritar no seu despeito...
Leva o peito vazio de sentido;
sua mente não rompe o próprio caos;
quem não sabe viver nasceu morrendo...

ENQUETE NO TEMPO DE ESCOLA





Passeando pelos blogs como sempre faço pela manhã, me deparei com posts que me remeteram à época do colégio. Não sei se isso era hábito apenas no meu tempo, década de 90 e tal. E se sou muito velha por isso. Mas, pelo menos enquanto eu cursava 4ª ou 5ª série do ensino fundamental era muito comum as meninas possuírem um caderno intitulado “Enquete”. Algumas escreviam “Inquete” mas aí vai do analfabetismo de cada um.


Neste caderno, em cada página, havia uma pergunta. Dessas que não servem para nada nem para ninguém. Qual o seu nome? Quanto anos você tem? O que você acha da dona da enquete? Com quem você fugiria para uma ilha deserta? Deixe uma mensagem para a dona da enquete! E essas perguntas típicas de pré-adolescentes.



E era mais legal quem tinha o caderno mais completo. Quem tinha mais gente disputando sua enquete. Virar a página então, UAU, era o máximo! Mas, em homenagem a esses tempos de escola, vou copiar o post que me fez lembrar de tudo isso.



Eu era (ainda sou um pouco, ok?) nerd e perfeccionista. Dessas que ODEIAM rasuras no caderno. Muitas vezes, quando eu errava alguma tarefa, eu jogava aquela folha fora e fazia de novo pra não ter rasuras.




Mode 12 anos on
Onde está seu celular? No bolso da bolsa!
E o amado? O Batista? Não sei, sumiu da mídia!
Cor do cabelo? Castanho…claro…meio loira! Não! Loira nãããão!
Sua mãe? É mulher e vai bem, obrigada!
Seu pai? É homem e vai bem também, obrigada!
Seus irmãos? Sem irmãos. Só uma irmã, que é mulher e vai bem, obrigada!
Seu filho? Não tenho ainda.
O que mais gosta de fazer? Estar com os amigos.
O que você sonhou na noite passada? Nossa, sem chance de eu recordar.
Onde você está? Responderei com uma canção. “Money, que é good nóis num have. Se nóis havasse nóis num tava aqui workando…”
Onde você gostaria de estar agora? Agora? As 7h30 da manhã? Na minha cama!
Onde você gostaria de estar daqui a seis anos? Depois que eu sair da minha cama (veja resposta acima) eu penso nisso…
Onde você estava na noite passada? Em casa! Milagre!
O que você não é? Boba.
O que você é? Muito boba.
Objeto do desejo? Um porsche.
O que vai comprar hoje? Água.
Qual sua última compra? Gasolina.
A última coisa que você fez? Digitei a resposta acima.
O que você está usando? Calça jeans, blusinha preta, sandália e acessórios.
Na TV? Friends!
Seu cachorro? Peste.
Seu computador? Necessário.
Seu humor? Variável.
Com saudades de alguém? Sempre.
Seu carro? Só tem duas calotas. As outras duas foram abduzidas.
Perfume que está usando? Victoria Secrets.
Última coisa que comeu? Bisnaguinha.
Fome de quê? Comida mexicana!
Preguiça de? Ter que discutir.
Próxima coisa que pretende comprar? Duas calotas!
Seu verão? Quente.
Ama alguém? Muito, a vida é amor.
Quando foi a última vez que deu uma gargalhada? Há 10 minutos.
Quando chorou pela última vez? Há dois domingos.
Mode 12 anos off

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Conto "O Riquê do Topete"


O Riquê do Topete


De Charles Perrault.

Houve uma vez uma rainha, que tinha um filho tão feio e disforme, que não parecia um ente humano. A mãe sofria desesperadamente, mas uma fada consolou-a, dizendo-lhe que, em compensação, o filho seria tão inteligente quanto habilidoso e teria, também o dom de tornar inteligente a jovem que amasse. A esse menino coube o nome de HenRiquê, porém, como ostentava um topete de cabelos no meio da fronte, todos os chamavam Riquê de Topete.

Quase na mesma ocasião, no reino vizinho, havia nascido uma princesa muito linda, mas tão estúpida, que a rainha sua mãe andava aborrecidíssima. Entretanto, uma fada prometeu que a princesa seria a mais bela moça do mundo e que teria o dom de tornar igualmente belo o jovem que amasse.

Passaram-se os anos. Riquê viu o retrato da famosa princesa, sua vizinha, dela se enamorou e foi pedi-la em casamento. A donzela se achava sozinha no parque, chorando amarguradamente, porque, apesar de toda a sua beleza, todos a evitavam e zombavam dela. O príncipe apresentou-se à moça e disse-lhe que, se ela quisesse aceita-lo como esposo, dentro de um ano, com toda a segurança, ela se tornaria inteligente e engenhosa. A jovem acedeu e o príncipe voltou muito alegre para o seu país.

A jovem noiva se transformou. Tornou-se inteligente, perspicaz, raciocinando com tanta agudeza, que os pais a custo reconheciam nela a moça tola e ignorante de outrora. O tempo se foi passando e a princesa esqueceu a promessa feita a Riquê, o do topete. Entretanto, um belo dia, quando passeava pelo parque, percebeu que a terra tremia sob os seus pés e, ela imediatamente se abriu, deixando ver uma enorme cozinha, regurgitante de cozinheiros, ajudantes e camareiros, que trabalhavam com afinco na preparação de variados e apetitosos manjares. A princesa, admirada, perguntou-lhes para que estavam trabalhando tanto. - Estamos preparando o banquete de bodas para Riquê, o do topete, que vai casar-se amanhã. A donzela só então se lembrou do compromisso que assumira com o príncipe, havia um ano e ficou inconsolável, por ver-se obrigada a casar-se com aquele homúnculo feio e disforme. Quando o príncipe chegou para o matrimônio, ela afirmou que jamais se casaria com ele. Riquê, porém, lhe falou com tanta diplomacia que a princesa por ele sentiu profunda admiração, graças aos seus raros dotes de espírito. Quando ele lhe revelou o dom, que ela possuía, mas ignorava, de tornar belo o jovem a quem amasse, a princesa exclamou, com veemência:

- Desejo, de todo o coração, que te transformes no mais belo príncipe do mundo! Mal havia pronunciado estas palavras, o príncipe converteu-se num belíssimo mancebo. O casamento se realizou no dia seguinte e o casal viveu feliz durante toda a sua vida.

Conto 'OS TRES CABRITINHOS'









Os três cabritinhos


de Gudrun Thorne-Thomsen

"Era uma vez três Cabritinhos Travessos que costumavam pastar numa colina onde havia um capim bem verdinho. Para se chegar lá, porém, tinham que atravessar uma ponte embaixo da qual morava uma bruxa terrível e horrorosa, que tinha um nariz curvo e comprido e uns olhos enormes, bem arregalados.
Um dia, quando o sol já se ia escondendo, lá foram os Cabritinhos Travessos pastar.
Na frente, vinha o cabritinho mais novo atravessando a ponte: Trip, trap, trip, trap...
- Quem está caminhando sobre a minha ponte? Rosnou a megera.
- Sou eu, o Cabritinho Caçula. Vou pastar lá na colina para ficar bem gordinho, disse o menor de todos, com um fiozinho de voz.
- Espera aí que já vou te devorar, respondeu a bruxa.
- Oh, não, por favor! Eu sou tão magrinho, disse o Caçula. Espere um pouquinho, que já vem aí o meu irmão mais velho, ele é muito maior do que eu.
Ouvindo isto, a Bruxa resolveu esperar o outro cabritinho.
"Trip, trap, trip, trap..."
- Quem está passando na minha ponte?
- Sou eu, o Segundo Cabritinho. Vou pastar lá na colina, para engordar um pouco.
- Espera aí, já vou te comer.
- Por favor, dona Bruxa, deixe-me passar. Lá vem vindo o meu irmão mais velho. Ele é muito maior do que eu.
A Bruxa ficou esperando.
"Trip, trap, trip, trap..."
- Quem está passando aí na minha ponte?
- Sou eu, o maior dos cabritos.
- Espera aí, vou te comer todo de uma vez.
Mas, dessa vez a resposta foi bem diferente:
"Venha, que sou bem valente!
De bruxas não temo o berro.
Pra isso, tenho bons dentes,
E chifres que são de ferro!"
A Bruxa tentou agarrar o cabrito, mas ele não perdeu tempo: avançou sobre ela, empurrou-a com os chifres e atirou-a dentro do rio que passava em baixo da ponte. Depois, calmamente, foi reunir-se aos irmãos, no pasto da colina. Os três cabritinhos engordaram tanto, que mal puderam voltar para casa. Quanto à bruxa, nunca mais se ouviu falar nela."

domingo, 25 de outubro de 2009

FILME / PICA PAU

video

Elefante da Cica


Jotalhão - Personagem da semana – Elefante da Cica


Everson Barbosa


Essa semana tive que fazer um trabalho bastante interessante sobre embalagens. Na cadeira de direção de arte II – do ilustrissimo professor Rudinei Kopp (tomara que ele leia isso) – fiz uma pesquisa sobre as embalagens dos extratos de tomate. E que a que mais se diferencia sem duvida, ainda é a Cica (agora da Knorr), foi bacana rever o Elefante da Cica, bons tempos que lia Turma da Mônica, e ele estava lá..Jotalhão!
Acho muito interessante esses estudos sobre marcas, e posicionamento que elas tem na mente do consumidor. Através de uma simples pesquisa em supermercados, é possível tirar ótimas conclusões de marketing. O objetivo desse trabalho que fiz é para mais tarde redesenhar ou criar um novo produto do segmento, provavelmente vamos (eu e meu colega Fernando Faguuuuuuuundes) redesenhar uma embalagem, se tudo sair nos conformes, vou divulgando o trabalho aqui.
Então por curiosidade pra quem quiser saber mais sobre o simpático elefante verde:
“A marca de extrato de tomate Elefante, introdzida no mercado em 1941, e um dos itens de maior prestígio e de vendas no portfólio da Cica, tem sua origem no gosto de Rodolfo “Rudi” Bonfiglioli, filho de um dos fundadores da empresa, por caçadas de elefantes. Já o elefante verde que aparece na decoração das latinhas, o personagem Jotalhão, de Maurício de Souza, foi criado em 1962 para uma campanha publicitária – que não foi adiante – do Jornal do Brasil, conhecido como JB, que tinha aquele animal como símbolo de seu caderno de anúncios classificados. Oferecido então à Cica, foi adotado em 1979, dentro de um processo de modernização do design e da estratégia de comunicação da empresa. O Jotalhão substituiu o desenho realista de um elefante, animal que aliás integrava a logomarca da Cica. Começou então um grande trabalho de alicerçar o personagem, transformá-lo num simpático símbolo da empresa, naqueles tempos, ao lado da Mônica. Atualmente a marca Cica pertence a Knorr de propriedade da Unileve”
Fonte: Mundo das Marcas
http://blogs.gospelmais.com.br/eversonbarbosa/personagem-da-semana-elefante-da-cica

Personagem da Semana / Ota Fu Miga

JOTALHÃO de Maurício de Souza



Exposição resgata história de afeição de Jotalhão
com as consumidoras brasileiras

Redação Portal IMPRENSA*

De personagem das histórias em quadrinhos a ícone dos extratos de tomate, a trajetória do personagem Jotalhão, criado por Maurício de Souza, é um dos cases de sucesso da Unilever Brasil. O Extrato Knorr Elefante tornou-se referência em identificação e força de marca, e terá sua história apresentada durante a exposição que comemora os 50 anos de carreira do desenhista, no MuBe, em São Paulo (SP), que começa em 19 de julho.
Primogênito da marca Cica - empresa brasileira adquirida pela Unilever em 1993 - o Extrato de Tomate Elefante foi introduzido ao mercado em 1941, e trazia na embalagem um elefante bem diferente do divertido Jotalhão. Em 1968, porém, Maurício de Souza publicou no jornal Folha de S. Paulo uma tirinha na qual a personagem Mônica puxava o Jotalhão pela tromba, sob o olhar do Cebolinha, que ponderou: "Não sei, não... mas acho que sua mãe pediu foi massa de tomate". A partir daí, foi estabelecido o novo garoto-propaganda da marca que ajudou a modernizar e rejuvenescer o produto.
"O Jotalhão, ao longo desse mais de 40 anos como garoto-propaganda do extrato de tomate, tornou-se integrante da história da Unilever, assim como das famílias brasileiras. A presença do personagem, por décadas nas cozinhas dos consumidores, aliado ao seu jeito carinhoso e divertido, agregou ao produto uma relação única de afeição, o que fez do case referência em força de marca", afirma Thaís Pires, gerente de marketing dos atomatados Knorr.
Antes de se tornar a cara do extrato de tomate, Jotalhão era conhecido como um dos integrantes do grupo de personagens da Turma da Mata. Criado m 1962, grande, verde e desajeitado, o bicho protegia a mata contra os caçadores e ele ficava envergonhado com as investidas de Rita Najura, uma formiguinha apaixonada por ele.


Conheça mais sobre a história do Jotalhão e do Extrato Knorr Elefante
Exposição 50 anos Maurício de Souza
MuBe - Av. Europa, 218 - Jardim Europa
Raquel Trevezan - raquel@imagemcorporativa.com.br
Mayra Oliveira - mayra@imagemcorporativa.com.br
Bruna Ventorim - bruna@imagemcorporativa.com.br
http://www.maxpressnet.com.br/noticia-boxsa.asp?TIPO=CE&SQINF=386449

sábado, 24 de outubro de 2009

Esse é o meu presidente? Lula da Silva

A vida de Lula chega aos cinemas

María Maeda


BRASÍLIA, Brasil ― Com estreia marcada para 1º de janeiro, o filme biográfico sobre o presidente Luiz Inácio "Lula" da Silva será apresentado em mais de 400 salas de cinema e dezenas de telões itinerantes que chegarão aos povoados mais remotos do Brasil.
No entanto, antes da apresentação nacional, a produção será exibida pela primeira vez em novembro, durante o Festival de Cinema de Brasília.


Os primeiros 35 anos da vida do sétimo filho de uma família pobre do nordeste, que migrou para a cidade grande, foram condensados no filme "Lula, filho do Brasil", que também destaca as lutas sindicais que o levaram à Presidência, de acordo com a resenha do jornal Crítica de la Argentina. O longa-metragem foi produzido por Luiz Carlos Barreto e dirigido por seu filho, Fábio Barreto, que em 1996 foi indicado ao Oscar por "O quatrilho".


Com orçamento de US$ 6,9 milhões, esse é o filme mais caro da história do país, mas a Folha de S. Paulo indica que também será a estreia cinematográfica mais promovida, com centenas de cópias circulando por todo o país.


O jornal El Mercurio informa que o protagonista da história é Rui Ricardo Dias, um ator desconhecido no cinema, mas que foi escolhido pela produção por se parecer com o presidente. A historiadora Denise Paraná escreveu a biografia original, também intitulada "Lula, filho do Brasil", que foi adaptada para as telas do cinema pela própria autora em parceria com Fernando Bonassi e Daniel Tendler. "Esse é um homem que passou sua juventude na miséria, tomando água junto com o gado e às vezes tendo só café com açúcar nas refeições", Paraná disse.


No entanto, a data de estreia foi criticada na imprensa brasileira. Janeiro marca o fim do último ano de Lula na Presidência e o início da campanha presidencial. O jornal El País indica que o chefe de Estado impulsionará a candidatura de Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, para manter o Partido dos Trabalhadores no poder durante mais quatro anos.


Carlos Barreto garantiu ao jornal O Globo que o filme não foi feito por motivação política. "Não me importo com os candidatos do governo ou da oposição", Barreto explicou. "Fiz o filme para sair do vermelho." O longa-metragem foi financiado em sua totalidade por várias empresas brasileiras e multinacionais, incluindo Volkswagen, AmBey e Hyundai.
Pesquisado em 23/10/2009
http://infosurhoy.com/po/article/11498/

Eles publicaram e eu coloco aqui para meus amigos brasileiros saberem.

Esse é o meu presidente? Lula da Silva

A vida de Lula chega aos cinemas
María Maeda
BRASÍLIA, Brasil ― Com estreia marcada para 1º de janeiro, o filme biográfico sobre o presidente Luiz Inácio "Lula" da Silva será apresentado em mais de 400 salas de cinema e dezenas de telões itinerantes que chegarão aos povoados mais remotos do Brasil.
No entanto, antes da apresentação nacional, a produção será exibida pela primeira vez em novembro, durante o Festival de Cinema de Brasília.
Os primeiros 35 anos da vida do sétimo filho de uma família pobre do nordeste, que migrou para a cidade grande, foram condensados no filme "Lula, filho do Brasil", que também destaca as lutas sindicais que o levaram à Presidência, de acordo com a resenha do jornal Crítica de la Argentina. O longa-metragem foi produzido por Luiz Carlos Barreto e dirigido por seu filho, Fábio Barreto, que em 1996 foi indicado ao Oscar por "O quatrilho".
Com orçamento de US$ 6,9 milhões, esse é o filme mais caro da história do país, mas a Folha de S. Paulo indica que também será a estreia cinematográfica mais promovida, com centenas de cópias circulando por todo o país.
O jornal El Mercurio informa que o protagonista da história é Rui Ricardo Dias, um ator desconhecido no cinema, mas que foi escolhido pela produção por se parecer com o presidente. A historiadora Denise Paraná escreveu a biografia original, também intitulada "Lula, filho do Brasil", que foi adaptada para as telas do cinema pela própria autora em parceria com Fernando Bonassi e Daniel Tendler. "Esse é um homem que passou sua juventude na miséria, tomando água junto com o gado e às vezes tendo só café com açúcar nas refeições", Paraná disse.
No entanto, a data de estreia foi criticada na imprensa brasileira. Janeiro marca o fim do último ano de Lula na Presidência e o início da campanha presidencial. O jornal El País indica que o chefe de Estado impulsionará a candidatura de Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, para manter o Partido dos Trabalhadores no poder durante mais quatro anos.
Carlos Barreto garantiu ao jornal O Globo que o filme não foi feito por motivação política. "Não me importo com os candidatos do governo ou da oposição", Barreto explicou. "Fiz o filme para sair do vermelho." O longa-metragem foi financiado em sua totalidade por várias empresas brasileiras e multinacionais, incluindo Volkswagen, AmBey e Hyundai.
Pesquisado em 23/10/2009
http://infosurhoy.com/po/article/11498/

Eles publicaram e um coloco aqui para meus amigos brasileiros saberem.

VOCÊ SABIA? CHAN CHAN

Alunos Peruanos unidos por Chan Chan

*Cristóbal Campana

Cerca de 20 mil alunos de 23 escolas do norte do Peru formaram diversos tipos de associações para proteger e divulgar a história do complexo arqueológico pré-colombiano de Chan Chan.


A cidadela pré-colombiana foi construída entre os anos 1200 e 1465 d.C. e está localizado nas redondezas da cidade de Trujillo, no departamento de La Libertad, 570 km ao norte de Lima.


Os investigadores que a examinaram consideram-na a capital da cultura pré-inca Chimú.

Chan Chan foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco em 1986, mas tem sido deixada de lado pelas autoridades nos últimos anos.


A própria Unesco a colocou na lista de patrimônio em perigo porque as estruturas estão se enfraquecendo com a chuva e o clima úmido da costa peruana.


*Diretor da Unidade Executora 110, responsável pela proteção de Chan Chan.

Obrigado alunos e idealizadores por essa empreitada unidos sempre somos mais fortes.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Poesia 'Se me Olhar'


SE ME OLHAR...


*Sueli Pioli Bigucci


Se meu olhar....
Te disser além, muito além
Do que queres saber,
Desvia.
*
Se meu olhar...
Me trair
E deixar transparecer
Toda a ternura
Que tenho por ti,
Disfarça.
*
Se meu olhar...
Tentar assim
Te conquistar e seduzir
E o brilho ardente
Te incomodar,
Dissimula.
*
Se meu olhar...
Em teu olhar, encontrar
A mesma sintonia,
Por favor, Sorria...!!!

Mensgem "Quando Puderes"


‘Quando Puderes’

Giuseppe Charone


Dá de ti !

Quanto puderes:

O talento,

a energia,

o coração !

Dá de ti para os homens e as mulheres,

Como as árvores e as fontes dão...

Não somente o sapato que não queres

E a capa que não usas no verão.

Darás sem refletir, sem ser notado

De modo que ninguém diga:

"Obrigado!"

Nem te deva dinheiro ou gratidão.

E com espanto,

notarás um dia,

Que viveste fazendo economia,

De talento,

energia

e coração.

Mensagem de Reflexção


Equilibre-se!

Quando o desequilíbrio lhe bate à porta, resista.
Quando a dor o visita, use a paciência.

Quando a paz lhe foge, busque a Deus.
A qualquer hora, Deus está consigo,
aperfeiçoando as suas aspirações e desejos.

O poder infinito tudo dirige e penetra.
O seu equilíbrio depende do seu ajuste ao comando de Deus.
Trabalhe e produza.
Siga avante!
Persista!
Não desista jamais!

Poesia ' Ouvindo o Silêncio'



OUVINDO O SILÊNCIO

( Almir/Capthor)
* Se o silêncio fosse dádiva
As pedras seriam filósofos
O mar que eloquente seria
Os rios no alarido das corredeiras
Gritariam ao mundo seu rumo

* Se o silêncio tivesse significado
Num momento seria abstrato Noutro ainda elíptico
Um tom de dor
Talvez apenas um murmúrio de paz

* Ah! se o silêncio tivesse cor
Seria azul nos momentos calmos
Verde quando a esperança surgisse
Branco quando de sua ausência

* Se o silêncio tivesse odor
Um cheiro de mato na noite fria
Essência de rosas no seu dormir
Um que de jasmim na despedida

* Mas o silêncio é muito mais
É espera no tempo
O não intervir do momento
Imaginar a saudade Falar sem dizer
Ouvir o que não foi dito E calar !
Quando nada mais há para se dizer.
***

Poesia 'Cinza Grena'

CINZA GRENA
(Razanil Shamir)


•.¸(♥


ANDANDO SOB A CHUVA FINA,


NA MANHÃ DESSE PRIMEIRO DIA,


DO INVERNO AINDA MORNO,


DESTE MEU LUGAR.


MEU OLHAR QUENTE CORAÇÃO AQUECIDO,


SAUDANDO-O CANTAROLO,


ENQUANTO CAMINHO,


DEBAIXO DE UMA SOMBRINHA GRENA.


A ESTAÇÃO CINZA MATIZADA JAMAIS GLACIAL,


MEU INVERNO TROPICAL,


VESTIDO DE SOL,


BRILHANDO ENTRE AS NUVENS,


PRESTES A SE DERRAMAREM,


EM GOTAS DOURADAS,


ENTRE FOLHAS AMARELADAS,


QUE O VENTO DA MADRUGADA,


ENTAPETOU PARA MEU PISAR.


(¸.•'´♥`'•.¸)`

Pintor 'Cândido Portinari'

QUÉM É?

Cândido Torquato Portinari

Tela Euclides da Cunha

Nasceu numa fazenda de café em Brodoswki, Santa Rosa, no interior de São Paulo, filho dos imigrantes italianos Giovan Battista Portinari e Domenica Torquato, que tiveram doze filhos, sendo ele o segundo.

De família humilde, cursou apenas o primário, porém desde criança manifestou sua vocação artística. Aos seis anos de idade, Portinari começa a desenhar e aos nove participou durante vários meses dos trabalhos de restauração da igreja de Brodowski, ajudando os pintores italianos.

Tela 'Os retirantes'

Aos dez anos, desenhou o retrato de Carlos Gomes, como via numa caixa de cigarros. Aos quinze anos de idade foi para o Rio de Janeiro em busca de um aprendizado mais sistemático em pintura, matriculando-se na Escola Nacional de Belas Artes.

Em 1928 conquista o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro da Exposição Geral de Belas-Artes, de tradição acadêmica. Vai para Paris, onde permanece durante todo o ano de 1930.


Tela 'O Boi'

Longe de sua pátria, saudoso de sua gente, Portinari decide, ao voltar para o Brasil em 1931, retratar nas suas telas o povo brasileiro, superando aos poucos sua formação acadêmica e fundindo a ciência antiga da pintura a uma personalidade experimentalista a antiacadêmica moderna.

Em 1935 obtém seu primeiro reconhecimento no exterior, a Segunda menção honrosa na exposição internacional do Carnegie Institute de Pittsburgh, Estados Unidos, com uma tela de grandes proporções intituladas CAFÉ, retratando uma cena de colheita típica de sua região de origem.

Pintor Alfredo Volpi

QUEM É?



Alfredo Volpi (1896-1988)


Pintor nascido em Lucca, Itália. Veio com a família ao Brasil, fixando-se em São Paulo. Exerceu vários ofícios, inclusive o de decorador de interiores.

Em 1914 executa sua primeira obra. Sua pintura caracteriza-se, até 1930, pela aproximação naturalista das formas e cores, resolvidas de maneira impressionista ou expressionista.

Em 1925 inicia sua participação em mostras coletivas.

PINTOR Oscar Pereira da Silva

QUEM É?
Tela 'A Costura'

OSCAR PEREIRA DA SILVA

Pintor Brasileiro


(São Fidélis, RJ, 1867 - São Paulo, SP, 1939)
Oscar Pereira da Silva estudou na Academia Imperial de Belas Artes (AIBA) do Rio de Janeiro, entre 1882 e 1887 tendo como professores Chaves Pinheiro, Victor Meireles, José Maria de Medeiros e Zeferino da Costa. Como assistente desse último, colaborou na execução dos painéis decorativos da nave principal da Igreja da Candelária.
Em 1887, Oscar Pereira da Silva obteve o prêmio de viagem à Europa, juntamente com o arquiteto João Ludovico Berna. Tal resultado provocou polêmicas, sendo a decisão do júri severamente contestada. O pintor teve ainda que aguardar o fim dos turbulentos eventos que resultaram na proclamação da República, para, somente em 1890, partir para a Europa. Fixou-se em Paris, onde estudou com Bonnat e Gerôme. De volta ao Brasil, seguiu para São Paulo, onde, em 1897, fundou o Núcleo Artístico, origem da Escola de Belas Artes local, onde viria a lecionar, e também se tornou professor do Liceu de Artes e Ofícios. Oscar Pereira da Silva destacou-se como pintor de história, fixando em grandes telas, preferencialmente passagens tomadas da história do Estado de São Paulo, onde se radicou. Entre outros prêmios, obteve, em 1933, a grande medalha de ouro no Salão Paulista de Belas Artes. Foi ainda decorador, trabalhando nas igrejas de Santa Cecília e de N. Sra. Consolação, bem como para o Teatro Municipal de São Paulo, para onde concebeu três murais - O Teatro na Grécia Antiga, A Dança e A Música.

Filme Envelhecendo

video

terça-feira, 20 de outubro de 2009

ARTE: Cândido Portinari





QUÉM É?



Cândido Torquato Portinari



Nasceu numa fazenda de café em Brodoswki , Santa Rosa, no interior de São Paulo, filho dos imigrantes italianos Giovan Battista Portinari e Domenica Torquato, que tiveram doze filhos, sendo ele o segundo.




De família humilde, cursou apenas o primário, porém desde criança manifestou sua vocação artística. Aos seis anos de idade, Portinari começa a desenhar e aos nove participou durante vários meses dos trabalhos de restauração da igreja de Brodowski, ajudando os pintores italianos.




Aos dez anos, desenhou o retrato de Carlos Gomes, como via numa caixa de cigarros. Aos quinze anos de idade foi para o Rio de Janeiro em busca de um aprendizado mais sistemático em pintura, matriculando-se na Escola Nacional de Belas Artes.




Em 1928 conquista o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro da Exposição Geral de Belas-Artes, de tradição acadêmica.





Vai para Paris, onde permanece durante todo o ano de 1930. Longe de sua pátria, saudoso de sua gente, Portinari decide, ao voltar para o Brasil em 1931, retratar nas suas telas o povo brasileiro, superando aos poucos sua formação acadêmica e fundindo a ciência antiga da pintura a uma personalidade experimentalista a antiacadêmica moderna.




Em 1935 obtém seu primeiro reconhecimento no exterior, a Segunda menção honrosa na exposição internacional do Carnegie Institute de Pittsburgh, Estados Unidos, com uma tela de grandes proporções intituladas CAFÉ, retratando uma cena de colheita típica de sua região de origem.

VOCÊ SABIA? Arte:pintura

Uma Vez Três Pintores Brasileiros:
Portinari, Volpi e Silva

Isabel Cabral
Em 1951, três pintores brasileiros — Portinari, Volpi e Silva — encontraram-se na I Bienal de São Paulo. Passados tantos anos, eles se reencontram, agora, nos trabalhos dos alunos de Educação Infantil e Ensino Fundamental de escolas publicas.
Esta Mostra vem apresentar não apenas o resultado de um trabalho de pesquisa, apreciação e releitura de obras desses artistas, realizado pelos alunos, sob a orientação dos professores, durante os meses de maio e junho.
Ela pretende apresentar também um esforço de conhecimento e resgate de uma importante faceta da cultura brasileira, por alguns esquecidos, por outra muito simplificada ou até mesmo desvalorizada.
Através da visão dos artistas, os alunos puderam entrar em contato com uma imagem de Brasil colorido, por vezes singelo, por vezes dramático.
Cenas de vida no interior, fachadas de casas, trabalhadores, festas populares, tudo envolvido numa atmosfera ora aparentemente ingênua, ora mais complexa.
Esperamos que, nessa visita, você aprecie esta faceta da cultura brasileira representada pelos artistas mirins da rede publica de Colorado do Oeste.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Você Sabia? Caravana do Cordel

Já Existe a CARAVANA DO CORDEL

O projeto O Autor na Praça em seu 10 aniversário recebe a Caravana do Cordel criada recentemente, portanto, será a primeira vez que a Caravana se apresentará em uma praça , cuja a data fixada foi dia 22 de agosto_ no mês do Folclore_ no Espaço Plínio Marcos, na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto. Haverá exposição e venda de folhetos de cordel, xilogravuras, CDs, leituras e cantorias com a presença de cordelistas e poetas populares. O cartunista Junior Lopes participa realizando caricaturas.

A Caravana do Cordel reúne o melhor da poesia popular de São Paulo. É um mundo de cordel para todo o mundo! É um projeto coletivo, construído por poetas populares nordestinos radicados em São Paulo, estreou com o pé direito. Em seus encontros apresenta uma série de atividades, todas elas voltadas para o fortalecimento e valorização da cultura nordestina. Haverá exposição e venda de cordéis, livros e CDs e uma justa homenagem a ícones nordestinos: Patativa do Assaré, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, João do Valle e Raul Seixas, na semana em que se completa 20 anos que o "Maluco Beleza" pegou o "Trem" (21/08/1989), Conheça o sítio do Raul Rock Club / Raul Seixas Oficial Fã-Clube, criado e dirigido por Sylvio Passos em 1981: http://www.raulseixas.org/.


Vejam alguns momentos da Caravana do Cordel:


Costa Senna declama "Lampião e seu escudo Invisível": http://www.youtube.com/watch?v=DTkOCJ_5JRE
Costa Senna declama "Paranóia da Sé": http://www.youtube.com/watch?v=CsAIFSJxImc
João Gomes de Sá Declama "Salário Mínimo": http://www.youtube.com/watch?v=thhcEj0JxXo&NR=1
Cleusa Santo declama "Joselito e sua Cabra": http://www.youtube.com/watch?v=v8lbvBL9R1Q Cacá Lopes declama o Cordel do "Travalíngua": http://www.youtube.com/watch?v=bReSLhAfpX4
Grupo Universos: http://grupounirversos.blogspot.com
Contatos com Júbilo Jacobino (produção): jubilojacobino@gmail.com
Contatos com o cantor e poeta Costa Senna: costasenna@gmail.com

Você Sabia? Caravana do Cordel

Já Existe a CARAVANA DO CORDEL


O projeto O Autor na Praça em seu 10 aniversário recebe a Caravana do Cordel criada recentemente, portanto, será a primeira vez que a Caravana se apresentará em uma praça , cuja a data fixada foi dia 22 de agosto_ no mês do Folclore_ no Espaço Plínio Marcos, na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto. Haverá exposição e venda de folhetos de cordel, xilogravuras, CDs, leituras e cantorias com a presença de cordelistas e poetas populares. O cartunista Junior Lopes participa realizando caricaturas.


A Caravana do Cordel reúne o melhor da poesia popular de São Paulo. É um mundo de cordel para todo o mundo! É um projeto coletivo, construído por poetas populares nordestinos radicados em São Paulo, estreou com o pé direito. Em seus encontros apresenta uma série de atividades, todas elas voltadas para o fortalecimento e valorização da cultura nordestina. Haverá exposição e venda de cordéis, livros e CDs e uma justa homenagem a ícones nordestinos: Patativa do Assaré, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, João do Valle e Raul Seixas, na semana em que se completa 20 anos que o "Maluco Beleza" pegou o "Trem" (21/08/1989), Conheça o sítio do Raul Rock Club / Raul Seixas Oficial Fã-Clube, criado e dirigido por Sylvio Passos em 1981: www.raulseixas.org.


Vejam alguns momentos da Caravana do Cordel:


Costa Senna declama "Lampião e seu escudo Invisível": http://www.youtube.com/watch?v=DTkOCJ_5JRE
Costa Senna declama "Paranóia da Sé": http://www.youtube.com/watch?v=CsAIFSJxImc
João Gomes de Sá Declama "Salário Mínimo": http://www.youtube.com/watch?v=thhcEj0JxXo&NR=1
Cleusa Santo declama "Joselito e sua Cabra": http://www.youtube.com/watch?v=v8lbvBL9R1Q Cacá Lopes declama o Cordel do "Travalíngua": http://www.youtube.com/watch?v=bReSLhAfpX4
Grupo Universos: http://grupounirversos.blogspot.com
Contatos com Júbilo Jacobino (produção): jubilojacobino@gmail.com
Contatos com o cantor e poeta Costa Senna: costasenna@gmail.com

Video Clip Musica Classe Média



Você Sabia? Eva Furnari


EVA FURNARI


Eva Furnari nasceu em Roma, Itália, há alguns anos atrás. Logo depois veio para o Brasil e se radicou em São Paulo. Sentindo-se atraída pela literatura infantil, criou uma identidade através do seu traço e da sua “ilustração narrativa”, destinada ao público infantil.


A bruxinha é sua pesonagem mais conhecida. Surgiu quando ela colaborava com a Folhinha de São Paulo (suplemento infantil do Jornal Folha de São Paulo) em tirinhas geniais onde desenvolveu sua narrativa “muda”, sem texto, mas com imagens maravilhosas que valem por mil palavras. A equipe Estiveram com a Eva Furnari na Feira do Livro em Brasília. Num bate papo muito descontraído, ela deu vivas ao Projeto roedoresdelivros e ali, num instante, pediu um papel, caneta, e fez uma adorável bruxinha para o blog.


'Uma honra para nós! Vida longa e muita inspiração para a Eva Furnari!!!
Que suas ilustrações, mágicas, sigam encantando a todos nós! ' Ana


Somos sabedores de que Eva Furnari é autora de mais de 50 livros, ela tem no currículo prêmios importantes, entre eles seis Jabutis - por Truks, 1991; A Bruxa Zelda e os 80 Docinhos, 1996; Anjinho, 1998; Circo da Lua, 2004; e dois, ilustração e texto, por Cacoete, 2006 -, oito indicações de 'altamente recomendável' pela Federação Nacional do Livro para Infância e Juventude e ainda o APCA pelo conjunto da obra.



Este post é para dismistificar a idéia de que é proibido falar de monstros, fastasmas e bruxas para crianças. Tudo isso faz parte da infância. Tudo isso ajuda a que ela possa fantasiar e encarar seus medos da melhor forma possível!!! Para quem não conhece, a Maravilhosa EVA FURNARI escreveu BRUXINHA E AS MALDADES DA SORUMBÁTICA , esta história fala de uma Bruxa perversa que quer transformar as tias da bruxinha em geléia e para quebrar o encanto nossa pequena bruxa tem que enfrentar alguns terríveis obstáculos... Não, nossa contadora de historias não errou de livro, nem de tema... mas as crianças adoraram e tornaram nossa manhã de sábado - ainda mais encantadora.


Não que ela negue a importância da arte como instrumento de formação da criança. 'A literatura é um meio fantástico de ensinar alguma coisa, de transmitir valores. Claro que a leitura de livros não dispensa os conselhos, a conversa com pais e educadores. Mas se a literatura é boa, genuína, se tem humor, emoção, se o personagem existe, o autor vai fundo, então sua leitura envolve emoção, torna-se experiência e provoca transformação interna. O aprendizado de valores feito assim é profundo, porque une ética, estética e emoção. ' Para Ana, as historinhas permitem que as crianças deem asas à fantasia, melhorando o raciocínio. "Também vemos que há uma maior socialização entre elas. Alguns bem calados tornaram-se os mais falantes", observa. O objetivo dos Roedores de Livros é familiarizar as crianças com a leitura, permitindo-lhes uma melhor interação com bibliotecas e livrarias.





"O amor pelo livro precisa ser incentivado", constata Ana, enquanto fecha a caixa com livros e dá o último aviso às crianças: "Sábado que vem tem mais".



Postado por Ana Paula Bernardes IN http://roedoresdelivros.blogspot.com
http://ensinandoeaprendendoemsaladerecursos.blogspot.com/2006/12/eva-furnari-arte-sem-preconceito.html


Imagens: dolles da lele.

Você Sabia? Somos uma Democracia


sábado, 17 de outubro de 2009

Filme 'Vida de Maria

video

Jesus de Nazaré e a Páscoa Cristã



A Páscoa Cristã,
representa a vitória da vida sobre a morte, do sacrifício pela verdade e pelo amor.

Jesus de Nazaré
demonstrou que pode-se executar homens, mas não se consegue matar as grandes idéias renovadoras, os grandes exemplos de amor ao próximo e de valorização da vida.

Como a Páscoa Cristã
representa a vitória da vida sobre a morte, reafirmamos, que a vida só pode ser definida pelo amor, e o amor pela vida.

Foi por isso que Jesus de Nazaré
afirmou que veio ao mundo para que tivéssemos vida em abundância, isto é, plena de amor.

A Cruz é o preço do meu perdão.

Mensagem Kahlil Gibran


IMAGINAÇÃO

A intensidade da vida depende de como a olhamos.

Há pintores que iriam achar belo este prato de uvas que se encontra sobre a mesa; e tentariam pintá-las com todo seu frescor, sua cor, sua luz e forma.

E nós, quando olhamos o quadro que resultou disso, devemos pensar nos vinhedos, como eles cresceram, como foi a colheita.

Pensar na loja onde o vinho destas uvas será vendido, e nas bocas que o provarão; entender que cada uma delas veio de um lugar diferente, embora estejam todas no mesmo prato.

Reparar que este prato é chines, e recordar tudo o que aprendemos sobre a China.

Então nossos olhos se dirigem à mesa, e pensamos de que maneira é feita, como era a árvore de onde foi tirada, quem a cortou, e onde vivia o lenhador com sua família.

Ver as coisas dessa maneira enriquece a imaginação, e nos abre para um mundo muito mais rico.

As crianças devem aprender a fazer isso.

Kahlil Gibran


CARTAS DE AMOR DO POETA - Adaptação de Paulo Coelho

Você Sabia? Resenha do Filme 'O Menino Maluquinho'

O MENINO MALUQUINHO

The Nutty, Nutty Boy
Brasil 1995

Brincalhão e esperto, Maluquinho vive uma infância feliz com sua turma da escola e da rua até o dia em que seus pais se separam. Ele sofre, abandona os amigos e escreve um poema que faz sucesso na festa de fim de ano da escola. É quando o avô Passarinho, que também tem alma de criança, convida o neto e sua turma para umas férias na fazenda. Baseado no livro de Ziraldo.





Direção HELVÉCIO RATTON


Produção TARCÍSIO VIDIGAL


Roteiro MARIA GESSY ALCIONE ARAÚJO HELVÉCIO RATTON ZIRALDO


Fotografia JOSÉ TADEU RIBEIRO


Montagem VERA FREIRE


Música ANTONIO PINTO FERNANDO BRANDT MILTON NASCIMENTO


Elenco SAMUEL COSTA, PATRÍCIA PILLAR, ROBERTO BOMTEMPO,


LUIZ CARLOS ARUTIM E HILDA REBELLO


35mm Cor 83 min


Contato RIOFILME DISTRIBUIDORA S.A.

Poetizando






O SER PESSOA ESSE SER QUE ENCANTA E CANTA O QUE SENTE

Maria Glória da Silva

"Sou uma Ledora voraz, determinada, aérea, memória de elefante, loucura de sobreviventes, caçadora de reinações, semeadora de esperanças.

Sou uma espécie de plantadora de sonhos, uma inventora do inexistente, eterno aprendiz da alma humana, sonhando um neosocialismo de resultados.

Afinal, o amor e a esperança são as inteligências da vida. Amiga: Solidão.

Motes: Tristeza - Medo da Vida. Minha prosa é ficção-angústia, meus poemas são rueiros e descalços, meu silêncio-albatroz traduz do inconsciente, com abstração, o que não podem a ciência e o conhecimento.

Escrevo para não ficar quieta, ou melhor, para livrar-me do que crio, feito um "Sentidor", para citar Clarice Lispector.
A poesia que produzo “é a oxigenação da minha alma”.



“Não conseguimos nada sozinhos neste mundo, e o que quer que
aconteça é o resultado da tapeçaria completa da vida e todos os
nós individuais tecidos de uns nos outros que criam algo.”
- Sandra Day O’Connor, Supreme Court Justice

Você Sabia? Sinopse do Filme 'Lutas'

Sinopse do Filme ‘ Lutas’

Lutas é uma animação brasileira feita para adultos que ainda vai dar o que falar.

Sinopse:
O filme Lutas conta a história de um brasileiro que vive a mais de 600 anos sendo testemunha de vários fatos históricos do nosso país. O protagonista passa por várias aventuras no passado onde participa de acontecimentos importantes da história do Brasil. No presente ele encontra Janaina que seria uma paixão do passado, só que no corpo de outra mulher.

Selton Melo é o narrador da história, que tem também a participação de Camila Pitanga.

Aparentemente, promete ser muito bom, possui excelentes gráficos, provavelmente será uma das mais bem produzidas animações do cinema nacional. A estréia está prevista para 2010.

Apesar da produção não ser 100% nacional, pois conta com o dedo da Lightstar Studios, tem tudo para marcar uma nova era da animação brasileira.

http://tapanacara.com.br/blog
visitado em 13/10/2009



“Você pode mudar o mundo/(Eu não consigo sozinho)/
Você pode tocar o céu/(Vou precisar de ajuda)
Você é o escolhido/(Vou precisar de um sinal)
...E se todos chorassem hoje à noite?”

Cry (Michael Jackson/R. Kelly)